• Pesquisar
  • Categorias

Adesão a seguros de saúde tem aumentado

A adesão aos seguros de saúde tem vindo a crescer e então agora com o aumento das taxas moderadoras, esse comportamento é ainda mais notório. Pela primeira vez, são mais do que 2 milhões de portugueses cobertos por seguros de saúde.

Os cookies permitem-nos optimizar os nossos serviços. Ao utilizar o nosso site, concorda com a nossa política de utilização de cookies. Saiba mais.

Sim, aceito.

Mais de dois milhões de portugueses têm seguro de saúde

Adesão a seguros de saúde tem aumentado

Segundo o Relatório Anual da Associação Portuguesa de Seguradoras (APS), no final de 2010 existiam 2,153 milhões de pessoas que tinham seguro de saúde.

Apesar de face a anos anteriores, as adesões a seguros de saúde terem aumentado, o certo é que se tem assistido a uma diminuição dos prémios médios cobrados, assim como uma queda na percentagem de comparticipação destes produtos. 

Recorde-se que em 2008 também foram divulgados dados que mostravam que 2,2 milhões de portugueses estavam cobertos por seguros de saúde. Na altura estes dados incluiam os seguros de saúde obrigatoriamente associados a cartões de crédito, por exemplo, ou até a outras modalidades de crédito.

Os dados actuais referem-se apenas a seguros directos de saúde, ou seja, seguros efectivamente contratados por particulares e/ou empresas.

Ainda no tema da saúde, foi avançado hoje que existem centros de saúde que estão a cobrar 3 euros aos utentes que telefonem ou enviem um e-mail ao médico de família.

A justificação dos centros de saúde é que a cobrança deste serviço está prevista na portaria com as novas taxas moderadoras, que identifica "consultas sem a presença do utente" como actos de assistência médica que podem resultar num "aconselhamento, prescrição ou encaminhamento para outro serviço".

O bastonário da Ordem dos Médicos, José Manuel Silva considerou esta prática "inaceitável" e apela que não se confunda pedido de aconselhamento telefónico como fazendo parte da "definição de consulta sem a presença do utente", uma vez que quem vai emitir a opinião pode nunca ter visto o doente, portanto, não se trata de um acto de consulta.

 

Estimado usuário, por favor verifique a sua situação económica antes de assumir qualquer compromisso com os nossos parceiros. O Meu Portal Financeiro apenas disponibiliza e actualiza informação financeira, não sendo responsável pelos produtos apresentados. O conteúdo está actualizado até à data mostrada em cada página. Se quiser fazer alguma actualização, por favor envie-nos a sua sugestão para: [email protected]