• Pesquisar
  • Categorias
  • Registar
  • Login

Anunciadas hoje novas medidas para as taxas moderadoras

Foi hoje aprovado em Conselho de Ministros, novas regras para a área da saúde, no que respeita à isenção das taxas moderadoras. Estas alterações podem implicar que alguns deixem de ser isentos, e outros que antes não eram, agora passem a ser. Conheça as alterações.

Os cookies permitem-nos optimizar os nossos serviços. Ao utilizar o nosso site, concorda com a nossa política de utilização de cookies. Saiba mais.

Sim, aceito.
Proteja-se e à sua família com um Seguro de Saúde!

Proteja-se e à sua família com um Seguro de Saúde!

Não poupe na saúde, poupe no seguro! Simulação gratuita e sem compromisso.

Ao clicar concordo receber comunicações de marketing directo enviadas por meuportalfinanceiro.com
Quero poupar!

Novas regras para as taxas moderadoras

Anunciadas hoje novas medidas para as taxas moderadoras

Foi hoje que o Governo aprovou em Conselho de Ministros, novas regras para a saúde, mais concretamente no que toca às isenções das taxas moderadoras.

Para já vamos esclarecer aquilo que se mantem: crianças até aos 12 anos, grávidas, bombeiros, dadores de sangue, deficientes das Forças Armadas e doentes transplantados, entre outros grupos de utentes, continuam a usufuir da isenção, como até aqui.

Até agora, as pessoas com doenças crónicas estavam à partida isentos das taxas moderadoras, no entanto, isso agora muda. Isto é, vão continuar a beneficiar da isenção, mas só no que respeita a despesas com tratamentos que estejam relacionados com a dita doença crónica, quanto a restantes tratamentos terão que pagar.

Outra grande alteração é que até aqui só os utentes com rendimentos até ao salário minimo nacional - 485€ - com pensões mais baixas ou com prestações sociais, é que gozavam de isenção. A partir de agora, estarão isentos, os utentes cujos rendimentos estejam abaixo de 1,5 vezes o valor do indexante dos apoios sociais (IAS), ou seja, de 624 euros. 

Outra grande alteração é que o conceito de agregado familiar começa a ganhar terreno e é aqui que entra a nova realidade de uns utentes deixarem de beneficiar e outros que antes não eram isentos, agora passarem a ser.

Tomemos o exemplo de um casal, em que a esposa está reformada e ganha 300€ e o marido trabalha e ganha 1.500€. O que acontecia até aqui é que a esposa era isenta e o marido não. A partir de agora, como é tomado em consideração o rendimento do agregado, já nem a esposa terá direito. Porquê? É necessário somar os dois rendimentos, o que dá 1.800€, dividir pelos dois elementos, o que dá, 900€. Como já ultrapassa o valor estipulado dos 624€, já nenhum dos dois pode beneficiar da isenção.

Por outro lado, um casal, por exemplo, que aufira 600€ cada um, até agora não era isento, porque os rendimentos de cada um já ultrapassava o valor do SMN. Agora como é tomado em consideração os rendimentos do agregado e o tecto é maior, pois o valor de referência não é o do SMN, ambos ficarão isentos.

Ressalve-se que não é só o salário e as pensões que devem ser tomadas em conta para a determinação dos rendimentos. Até mesmo rendimentos que não estão sujeitos a IRS serão considerados, como é o caso de mais-valias.

 

Maria Garcês
novas regras para as taxas moderadoras - Dúvidas e Questões

Maria Garcês Comentado há 16 days 5 months 3 years

Partilhe com a comunidade do Meu Portal Financeiro as suas dúvidas ou opinião.

Receber notificações por email sobres deste tópico?

» Comentar agora! »

Outras respostas: (0)

Estimado usuário, por favor verifique a sua situação económica antes de assumir qualquer compromisso com os nossos parceiros. O Meu Portal Financeiro apenas disponibiliza e actualiza informação financeira, não sendo responsável pelos produtos apresentados. O conteúdo está actualizado até à data mostrada em cada página. Se quiser fazer alguma actualização, por favor envie-nos a sua sugestão para: info@meuportalfinanceiro.pt