• Pesquisar
  • Categorias
  • Registar
  • Login

Governo insiste na subida dos impostos

O DEO aponta as perspetivas e medidas do Governo para os próximos quatro anos. A tónica mantém-se na subida de impostos, com uma pitada de eleitoralismo

Os cookies permitem-nos optimizar os nossos serviços. Ao utilizar o nosso site, concorda com a nossa política de utilização de cookies. Saiba mais.

Sim, aceito.
Não perca a actualidade da Diário Económico em Portugal!

Não perca a actualidade da Diário Económico em Portugal!

Conheça a Diário Económico e financeira nacional com notícias e artigos financeiros.

Ao clicar concordo receber comunicações de marketing directo enviadas por meuportalfinanceiro.com
NewsLetter

Documento de Estratégia Orçamental (DEO) aumenta impostos!

Governo insiste na subida dos impostos
  • Subida do IVA
  • Subida da TSU dos trabalhadores
  • Corte progressivo da CES
  • Fraco crescimento e pouca melhoria no desemprego

Foi conhecido recentemente o novo Documento de Estratégia Orçamental (DEO) para 2014. Os portugueses aguardavam com expetativa este documento numa altura em que muito se falava da necessária reforma do Estado. Contas feitas, a “estratégia” do Governo mantém-se a mesma: aumentar impostos e manter a despesa “intocada”.


O que é o DEO?

 

O DEO é um documento de estratégia que é apresentado todos os anos pelo Governo (normalmente em Abril) e que visa mostrar as perspetivas do Governo para os anos subsequentes.

 

O DEO de 2014 tem como horizonte temporal o ano de 2018. Ou seja, não só apresenta as expetativas económicas como também divulga algumas medidas que deveriam ter o consenso dos vários partidos da oposição. Não sendo possível um consenso, seria de esperar pelo menos uma discussão sobre os assuntos…


Quais as principais linhas orientadoras?

 

Foi conhecido que a consolidação orçamental irá ser procurada, mais uma vez, pelo aumento da receita com impostos. Assim, serão de destacar dois impostos que irão tirar imediatamente dinheiro do bolso dos portugueses:

 

  • Subida da taxa máxima do IVA de 23% para 23.25%. As restantes taxas permanecem inalteradas;
  • Subida da taxa social única (TSU) que incide sobre os trabalhadores de 11% para 11.2%, como contraponto para uma redução da Contribuição Extraordinária de Solidariedade (CES).

 

Queda residual da taxa de desemprego:

 

Em termos de expetativas económicas, o Governo espera que a taxa de desemprego venha a reduzir-se de forma progressiva e lenta, atingindo os 13.2% da população ativa em 2018. Em termos práticos, o Governo espera que a taxa se reduza menos de dois pontos percentuais em cinco anos.

 

Contas feitas, as reformas estruturais que deveriam ter impacto no dinamismo da economia não terão qualquer impacto ou tradução no nível de desemprego… mostrando que não foram feitas quaisquer reformas nos últimos três anos!


A economia vai crescer ligeiramente…

 

As previsões do Governo para o crescimento da economia (medidas pelo Produto Interno Bruto), são as seguintes:

 

  • 1.2% em 2014;
  • 1.5% em 2015;
  • 1.7% em 2016;
  • 1.8% em 2017 e 2018.

 

Contas feitas, o Governo prima pela coerência e mantém a mesma estratégia para a consolidação orçamental!

 

Leia também

Governo vai propor plafonamento das pensões »

Agências de Rating mais otimistas quanto a Portugal »

Maria Garcês
documento de Estratégia Orçamental (DEO) aumenta impostos! - Dúvidas e Questões

Maria Garcês Comentado há 19 days 4 months 3 years

Partilhe com a comunidade do Meu Portal Financeiro as suas dúvidas ou opinião.

Receber notificações por email sobres deste tópico?

» Comentar agora! »

Outras respostas: (0)

Estimado usuário, por favor verifique a sua situação económica antes de assumir qualquer compromisso com os nossos parceiros. O Meu Portal Financeiro apenas disponibiliza e actualiza informação financeira, não sendo responsável pelos produtos apresentados. O conteúdo está actualizado até à data mostrada em cada página. Se quiser fazer alguma actualização, por favor envie-nos a sua sugestão para: info@meuportalfinanceiro.pt