• Pesquisar
  • Categorias
  • Registar
  • Login

Qual o esforço dos nossos políticos?

Quando se trata de arranjar culpados para a situação em que nos encontramos e que possa também arcar com as culpas da quebra de 8,7% no salário médio bruto mensal, apontamos logo o dedo aos nossos políticos e acusamo-los de passarem ao lado deste cenário.

Os cookies permitem-nos optimizar os nossos serviços. Ao utilizar o nosso site, concorda com a nossa política de utilização de cookies. Saiba mais.

Sim, aceito.
Procura Instituições de confiança?

Procura Instituições de confiança?

Encontre as soluções mais competitivas no mercado prestadas por Instituições de prestígio em Portugal.

Ao clicar concordo receber comunicações de marketing directo enviadas por meuportalfinanceiro.com
Saber mais

Salários à lupa - Quanto ganham os políticos?

Qual o esforço dos nossos políticos?

 

Foi num dia frio de Janeiro de 2012 que o país foi invadido por espírito de indignação que encheu as páginas das redes sociais de insultos e comentários de pessoas que se viram atingidas na sua dignidade. Num momento em que o país atravessava uma das piores crises desde 1975, o Presidente da República, Prof. Aníbal Cava Silva, dizia que as suas reformas de 10 mil euros mensais poderiam não ser suficientes para fazer face às suas despesas. Facilmente foi encontrado o culpado para toda esta situação e, apesar de terem sido demasiadas exageradas as declarações, a verdade é que nem os detentores de cargos de governação e chefia do Estado fugiram à radical quebra de vencimentos. 

 

Em 2011, Cavaco Silva abdicou do seu ordenando enquanto Presidente da República Portuguesa e, logo ai, perdeu um dos seus vencimentos. Optou por receber apenas as suas pensões, oriundas do Banco de Portugal e da Caixa Geral de Aposentações. Sendo muito ou pouco, a verdade é que o nosso Presidente da República perdeu parte do seu rendimento e isso, como a todos nós, afetou a sua gestão orçamental. 

 

 

Em números, Cavaco Silva auferia em 2008 uma remuneração anual de 102 814€. Este ano, não irá além dos 78 287€. Mais uma vez em números, anualmente, o Presidente recebe menos 24 527€. 

 

Mas ao longo de toda a carreira política de chefia isso acontece. O nosso atual Primeiro-Ministro tinha, em 2008, um vencimento anual de 77 860€, mas este ano irá declarar 68 501€. O cargo de Presidente da Assembleia da República tem um vencimento, em 2013, de 62 630€, contra os 85 459€ em 2008. Um presidente de Câmara Municipal receberia em 2008 cerca de 52 900€. Atualmente, viu o seu vencimento reduzido para 39 150€.

 

Feitas as contas, e apesar de toda a revolta que as declarações possam ter provocado, Aníbal Cavaco Silva foi, efetivamente, quem mais perdeu com a crise que o nosso país está a atravessar. No entanto, toda a função pública perdeu, nos últimos dois anos, uma parte significativa do seu rendimento e viu as suas regalias e benefícios serem congelados por falta de verbas. 

 

Apesar de todas estas perdas salarias, Portugal apostou ainda em algumas reformas que poderão ter impacto nas contas do Estado. Alvo de muita polémica, está a famosa Reorganização Administrativa, que prevê a extinção de algumas freguesias do país. Outra solução apontada é a também polémica Reorganização Judicial, criando parques judiciais que respondam eficazmente a várias localidades, permitindo otimizar recursos financeiros e humanos. Mas os adversários do Governo apontam medidas que poderão combater o esbanjamento de capitais públicos e que vão além dos simples cortes salariais dos membros do governo. Uma delas é, desde logo, a redução do parque automóvel do Estado e a limitação do número de assessores de cada Ministro ou Secretário de Estado. A verdade é que um Hospital de Guimarães que decidiu leiloar o seu parque automóvel e abdicar dos telemóveis de serviços, prevê poupar um milhão de euros anualmente. Se o Governo gerir o Estado como cada um de nós gere a nossa casa, poderíamos talvez estar perto do final desta recessão, começando lentamente a voltar a equilibrar a nossa economia e a desenvolver o país para o futuro. Medidas drásticas são necessárias, é verdade, mas não podemos esperar que sejam apenas os trabalhadores a cumprir com o que é pedido. A despesa do Estado tem, obrigatoriamente, que ser reduzida. O pontapé de saída foi dado com esta perda, genérica, de 23,28% do vencimento dos nossos políticos, resta esperar que outras medidas de contenção sejam aplicadas, tal como está a acontecer um pouco por toda a Europa, com os Ministérios a perderem parte considerável do seu financiamento. 

 

Anterior 3/3 

 

Maria Garcês
salários à lupa - Quanto ganham os políticos? - Dúvidas e Questões

Maria Garcês Comentado há 20 days 4 months 3 years

Partilhe com a comunidade do Meu Portal Financeiro as suas dúvidas ou opinião.

Receber notificações por email sobres deste tópico?

» Comentar agora! »

Outras respostas: (0)

Estimado usuário, por favor verifique a sua situação económica antes de assumir qualquer compromisso com os nossos parceiros. O Meu Portal Financeiro apenas disponibiliza e actualiza informação financeira, não sendo responsável pelos produtos apresentados. O conteúdo está actualizado até à data mostrada em cada página. Se quiser fazer alguma actualização, por favor envie-nos a sua sugestão para: info@meuportalfinanceiro.pt