• Pesquisar
  • Categorias
  • Registar
  • Login

Tudo o que precisa de saber sobre Serviço Nacional de Saúde

O Serviço Nacional de Saúde é alvo de muitas críticas, muitos louvores, muitas notícias, mas a verdade é que poucos sabem o que é isto de Serviço Nacional de Saúde.

Os cookies permitem-nos optimizar os nossos serviços. Ao utilizar o nosso site, concorda com a nossa política de utilização de cookies. Saiba mais.

Sim, aceito.
Proteja-se e à sua família com um Seguro de Saúde!

Proteja-se e à sua família com um Seguro de Saúde!

Não poupe na saúde, poupe no seguro! Simulação gratuita e sem compromisso.

Ao clicar concordo receber comunicações de marketing directo enviadas por meuportalfinanceiro.com e pelos nossos Parceiros
Quero poupar!

O que é o Serviço Nacional de Saúde?

Tudo o que precisa de saber sobre Serviço Nacional de Saúde
  • O direito à saúde é consagrado na Constituição da República Portuguesa.
Em 2014, o Serviço Nacional de Saúde celebra 35 anos. O serviço que hoje damos como garantido nem sempre existiu e não são muitos os anos que nos separam do tempo que não existia um sistema de saúde que garantisse apoio a toda a sociedade.

Mas o que é o Serviço Nacional de Saúde?


O Serviço Nacional de Saúde é, no fundo, uma rede de órgãos e serviços que garantem a prestação de cuidados de saúde globais a todos os habitantes do nosso país, sendo que desta forma o Estado garante o direito à saúde a toda a população.

Criado há 35 anos, o Serviço Nacional de Saúde foi-se alterando ao longo dos anos, assumindo-se como verdadeiro motor de desenvolvimento do nosso país e, hoje, é ainda considerado, por muitos, um dos melhores exemplos de Serviço Nacional de Saúde do mundo.

Não fosse o Serviço Nacional de Saúde e os portugueses apenas tinham acesso à saúde através de instituições privadas e aos serviços sociais e médicos da Previdência.

Dados Históricos do Serviço Nacional de Saúde


Em 1976 foi aprovada a nova Constituição e nela podia ler-se, no artigo 64, que todos os cidadãos tinham direito à proteção da saúde assim como dever de a defender e promover.

Esse direito era efetivado com a criação de um Serviço Nacional de Saúde, universal, geral e gratuito.

Independente da condição económica e social, todas as pessoas tinham assim garantido o acesso à saúde, quer através dos cuidados primários como atuação em caso de agudos.

Mas foi apenas em 1978 que foi publicado o despacho que abria o caminho à implementação do Serviço Nacional de Saúde, gratuito e extensível a toda a população, independentemente dos seus rendimentos, assim como a comparticipação dos medicamentos para tratamento e prevenção de patologias.

A lei n.º 56/79, de 15 de Setembro, cria o Serviço Nacional de Saúde. E o que hoje damos como garantido, começa assim a ser desenhado, passo a passo, mais lento do que rápido.

Hoje, e em 1979, o Serviço Nacional de Saúde prevê e engloba todos os cuidados de saúde integrados e uma visão multidisciplinar das patologias, promovendo a prevenção e dando resposta ao tratamento.

Mas garante também a integração do doente, ao nível da reabilitação médica e social. Em 1979, o acesso ao Serviço Nacional de Saúde era gratuito, mas previa-se já a existência de taxas moderadoras que racionalizassem a utilização do Serviço.

O hoje


Hoje, o Serviço Nacional de Saúde tornou-se como uma espécie de braço direito da população e causa de lutas constantes pela sua manutenção.

Ninguém se revê num modelo de sociedade que não contemple um Serviço Nacional de Saúde que responda às necessidades de ricos e pobres.

Numa sociedade cada vez mais evoluída, o Serviço Nacional de Saúde desempenha um papel preponderante naquilo que são os cuidados de saúde primários, levado a cabo pelas Unidades de Saúde Familiar.

Mas é também essencial o apoio à doença, vinculado pelas unidades de consultas externas dos hospitais ou pelos meios complementares de diagnósticos prestados pelos diversos parceiros do Serviço Nacional de Saúde.

Sem esquecer, claro está, o apoio fulcral prestado pelas unidades de agudos e pela rede cada vez mais completa de Unidades de Cuidados Continuados que prestam apoio à integração do doente na sociedade, levando a uma reabilitação geral da pessoa.

A Opção ao Serviço Nacional de Saúde


Com as taxas moderadoras a subir - uma situação de urgência pode custar entre 5€ a 20€ no Serviço Nacional de Saúde - os portugueses têm tentado arranjar opções que respondam eficazmente às necessidades.

E qual tem sido a solução encontrada? 

Os seguros de saúde. Este produto tem sido o que mais cresceu nos últimos anos e são cada vez mais as pessoas a encarar o seguro de saúde como, verdadeiramente, a opção ao Serviço Nacional de Saúde.

- Vamos a exemplos práticos?


Por apenas 9€ por mês, a Médis oferece serviços de saúde de qualidade, quer ao nível das consultas de especialidade, quer ao nível de situações de urgência.

E quanto paga por um episódio de urgência com seguro de saúde? Em média, com seguro de saúde, paga apenas 15€ por consulta de urgência e isso é, mesmo, uma grande vantagem.

Assim, se quer ter apoio médico de qualidade, a tempo e horas, o seguro de saúde é a única opção existente no mercado.

Leia também:
Maria Garcês
o que é o Serviço Nacional de Saúde? - Dúvidas e Questões

Maria Garcês Comentado há 10 days 5 months 2 years

Partilhe com a comunidade do Meu Portal Financeiro as suas dúvidas ou opinião.

Receber notificações por email sobres deste tópico?

» Comentar agora! »

Outras respostas: (0)

Estimado usuário, por favor verifique a sua situação económica antes de assumir qualquer compromisso com os nossos parceiros. O Meu Portal Financeiro apenas disponibiliza e actualiza informação financeira, não sendo responsável pelos produtos apresentados. O conteúdo está actualizado até à data mostrada em cada página. Se quiser fazer alguma actualização, por favor envie-nos a sua sugestão para: info@meuportalfinanceiro.pt